1986 – Estaleiros navais abrem falência

Lisnave-481x325@2x
Foto Inácio Rosa

Em Portugal agudiza-se a crise na construção naval e em Chernobyl continuam a morrer pessoas em consequência da tragédia nuclear, o que leva a Comunidade Económica Europeia (CEE) a suspender as importações de produtos frescos do leste europeu.

O Diário de Notícias de 13 de maio de 1986 noticia que os trabalhadores da Parry and Son se reúnem em plenário para apreciar a decisão de requerer a falência da empresa, aprovada em assembleia geral de acionistas.

“Não se pode atirar assim para a rua centenas de trabalhadores, ainda por cima a dever-lhes 15 meses de salário”, denunciava um elemento da Comissão de Trabalhadores, António Germano.

O plenário “irá tomar medidas, se calhar, drásticas”, lê-se na antiga edição do DN.

Os acionistas (IPE- Investimentos e Participações do Estado e a Lisnave) decidiram declarar falência dois anos depois de o governo ter “inviabilizado uma proposta” no sentido da integração da empresa no processo de viabilização da Lisnave, que manifestara disponibilidade para absorver a Parry and Son.

O jornal noticiava também neste dia a morte de mais seis pessoas em consequência das queimaduras sofridas na explosão de um reator nuclear em Chernobyl, na Ucrânia.

As notícias vindas do leste europeu levam então a Comunidade Económica Europeia a suspender a importação de alimentos frescos de países como a Bulgária, a Hungria, Polónia, Roménia, Checoslováquia, União Soviética e Jugoslávia.

Fonte ::::> LUSA

Gabriel Quaresma

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s